" Se não houver frutos, valeu a beleza das flores;
se não houver flores, valeu a sombra das folhas;
se não houver folhas, valeu a intenção da semente"
Henfil

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Hoje...

Hoje não me apetece mostrar nenhuma foto de flores. Até aparecer a flor, a planta percorre um tão longo caminho, desde que foi uma pequena semente até esse momento tão apreciado por todos, que hoje vou falar um pouco disso.

Vou antes falar de umas sementes... eram sementes de uma das minhas plantas favoritas, a Rodophiala bífida. Estava no inicio da minhas aventuras com sementeiras e, por inexperiência, não consegui que resistissem. Não imaginam o quão desejadas eram essas sementes! Vinham de um outro continente, de muito longe, onde crescem silvestres nos campos, nos caminhos, nos montes, e algumas espécies até crescem em pleno deserto.
Devido ao tempo que passaram na viagem, grande parte delas já chegaram germinadas, o que, se fosse hoje, era meio caminho andado para se tornarem pequenos bolbos em pouco tempo. Mas nessa altura, como já disse, não sabia bem como cuidá-las, e perdi-as. Já lá vão uns anitos, mas acreditem, ainda sinto um frio no estômago quando vejo aquela fotografia. Ter um "tesouro" nas mãos e perdê-lo, é difícil de aceitar!!!

Depois disso, houve muitas sementeiras mais, posso dizer que lhes tomei o gosto e nunca mais parei. De Rodophialas fiz algumas, já tenho pequenos bolbos com 3, 4 anos, e de otras somente algun meses. Nunca vi nenhuma flor, ou por erros de cultivo, ou por ser muito cedo e os bolbos não estarem maduros ainda. Mas o facto de conseguir que germinassem e se tornassem pequenas plantas deixa-me uma sensação de dever cumprido.

Gosto muito de ver as flores, de ver as suas formas e cores e sentir os seus odores, mas hoje confesso uma coisa que muitos que visitam este blog há algum tempo já se aperceberam: o que gosto mesmo, mas muito mesmo é de acompanhar todo o processo de desenvolvimento da planta, com todas as coisas boas e menos boas que vão sucedendo pelo caminho, pois também fazem parte dele: Ver nascer uma planta; ver que vai dar sementes; saber que debaixo da terra está um bolbo adormecido, mas que continua com as raizes activas; chegar um dia e encontrar a ponta de uma futura folha a sair da terra; ou ir mudar um vaso e não encontrar nada, ou melhor, encontar o que resta de um bolbo que não resistiu; ver as folhas amarelar, esperar um ano inteiro por uma flor e na altura, não aparecer nada, e ter que voltar a esperar outro ano; olhar com surpresa para a túnica de um bolbo e descobrir os seus desenhos; encontrar bolbos alongados em vez de redondos, devido a terem passado o tempo a esforçar-se para ir mais para a fundo do vaso; ir ver uma sementeira quase de hora a hora à procura de algo novo; ver um botão floral e tentar adivinhar quantas flores tem; encontrar a cápsula de sementes já madura e colhê-las; ver aparecerem as primeiras plantulas; apreciar as texturas e tons das folhas; replantar um vaso de pequenas plantas de sementeira; ver como bolbos tão pequenos já são tão fortes; observar as raizes contrácteis de algumas, que as puxam mais para baixo no vaso; cuidar de plantas recém-nascidas; ficar com o coração nas mãos se algo não está a correr bem; ver nascer folhas novas; Ver nascer uma planta!!. Enfim, há tanto para ver e sentir!!

12 comentários:

Rosan disse...

Cris.
como te entendo, e como é bom acompanhar tudo isso que descreves, não tenho muita experiencia com bolbos, tenho um de uma suculenta que agora ciram as folhas e estou assim como tu, com o coração na mão por não saber o que fazer agora, se o deixo na terra ou tiro...
tenho mais experiencia com sementes de cactos e até algumas suculentas,(experiencia é modo de dizer) pois acho que sou somente uma aprendiz que nem sempre tem exito...mas é muito bom acompanhar o processo das sementes, longo e as vezes lento mas sem duvida nenhuma...espetacular.
reve-las uma alma pra lá de sensivel.

beijinho

Rosan

Benó disse...

É como o processo de gestação dum ser humano.Sente-se, vê-se, falamos, por vezes mas,a hora do desabrochar é sempre esperada com a maior das expectativas e desejo.
Bom fim de semana.
Gostei de ler.

Green Man disse...

É o que se chama SER um jardineiro!!
:-)
Gosto muito de passar por aqui e de acompanhar as tuas aventuras no teu jardim!!

Monica disse...

Hola Cris,

Espero que estes pasando un buen verano...Yo estoy de nuevo con cambios...Je, Je, Je. Ya te contaré.


Un beso

Rose disse...

Passando para lhe deixar um beijo sapeca na bochecha.
saudades!

beto disse...

Não acredito ser inesperiência tua Cris, mas sim o desconhecimento da planta, comportamento da mudinha entre semente e bolbo florido, em hyppeastrum e amaryllis costuma chegar a cinco anos, nesta espécie pode ser similar, o facto dos bolbos definharem ainda pequenos pode ter muitas causas, como falta de luz solar, carência nutricional de algum sal mineral ou alguns oligoelemento, o melhor é conversar com pessoas que cultivam a planta há mais tempo, floricultores devem conhecem melhor plantas exóticas. Aqui no Brasil São Paulo hoje colhi um bolbo de hyppeastrum, ficou menor, está velho com 6 anos comigo e vou deixar ele e os Amaryllis Flower, aqueles dois do youtube, estes colherei em Setembro, na primavera ( seu outono ). Quando eles derem flores vou postar no youtube, serão os filmes Amaryllis flower 2010, eles ainda estão na terra, o que saiu tem as flores maiores mas duram muito menos, só quatro ou cinco dias e murcham, dão muitas sementes e ofereço para mandar gratuitamente para você, plante-as , divida com amigos da nossa grande nação lusa. O Brasil apesar de ser um país não é uma nação, é a cultura luso-brasileira.

Rose disse...

Saudades, menina!
Bjs.

Sandra Braconnot disse...

OIe
Querida...
Que blog lindo... Viajei nele... Senti até o perfume das flores.
Eu edito o Portal das Flores e fiz um link para o seu blog, indicando-o.
Se puder, me dê o prazer da sua visita.
bjs
Sandra Braconnot
www.portaldasflores.org

Ana Ramon disse...

Olá Amiga, cá estou de novo depois de mais uma longa ausência. Hoje dediquei a manhã para visitar os meus blogues mais queridos, matando saudades de textos tão bons e de fotos espectaculares...
Estava a ler este teu texto e a pensar que esses sentimentos de alegria, tristeza, satisfação, frustração, embevecimento, raiva e tantos mais, só acontecem nas pessoas com muita sensibilidade e por isso é que também lidam tantas vezes com o sofrimento. Não só com as plantas mas com tudo o que acontece em redor do ser humano.
Um abraço apertado

Cris disse...

Rosan, puxa, já devia ter vindo aqui antes! Como os cactos também se passa isso, aliás, penso que podemos aplicá-lo a todas as plantas. Os fracassos fazem parte da aprendizagem, por isso, não desanimes, na proxima vez há-de correr melhor.

Benó, tal e qual como dizes. Obrigada por passares aqui:)

Greenman, obrigada:) Há um ditado que diz: Quem corre por gosto não cansa, e creio que se pode aplicar também ao gosto que temos com as plantas:)

Monica, pero...de nuevo de mudanza? Espero que todo va bien y que se adapten bien a la nueva casa:)

Rose, há quanto tempo!!! Beijo sapeca recebido. Goste muito de saber de si!

Beto, sabe que há pouca informação sobre estas plantas. Há pessoas que as cultivam e que lhe florescem cedo, outras têm que esperar muito tempo pelas flores, outras inclusivé, desistem delas por ser tão dificeis.
Agradeço-lhe a oferta das sementes, mas agora, de bulbosas, só vou semear se forem botânicas:)
As suas são dessas ou são hibridos?

Sandra, obrigada pela visita, fico feliz que tenha gostado:) Prometo que vou visitar seu site.

Ana, que bom ver-te de novo por aqui:) Como é que adivinhaste?
Muito obrigada pelas tuas palavras, senti-as no coração.

Bjnhos a tod@s

Dorisalon disse...

Espero que tengas suerte con tus semilleros... Un abrazo

Cris disse...

Gracias Dorisalon:)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...