" Se não houver frutos, valeu a beleza das flores;
se não houver flores, valeu a sombra das folhas;
se não houver folhas, valeu a intenção da semente"
Henfil

sábado, 28 de abril de 2007

E vivam as cores

Ao longe, só se vê uma mancha vermelha no meio do verde. Chegamos mais perto e afinal há mais para ver: duas pétalas diferentes das demais. Aquele amarelo junto com as pequenas riscas quer chamar a atenção dos abelhões, para que a flor seja polinizada e assim poder perpetuar a espécie.
Se observarmos com mais atenção, há outras duas pétalas, mais largas, e ainda uma quinta pétala, mais pequena, também com riscas, mas sem amarelo. Isto porque o insecto deverá "aterrar" nas pétalas mais coloridas, que para onde estão viradas as anteras cheias de polén.
Nada existe por acaso.

7 comentários:

Greenman disse...

Lindíssima...
Posso fazer uma sugestão?
Coloca o nome das flores por favor!...
;-)

Cris Bolbosa disse...

Green,
Todas as sugestões são muito benvindas.
E tens toda a razão, esqueci-me do nome:
è uma Alstromeria.

Cris

Greenman disse...

É que assim, quando eu gosto muito delas, é mais fácil de encontrar nos Centros de Jardinagem...

anete joaquim disse...

Que engraçado! Também tenho destas flores no meu jardim (vê o blog jardimdepedra.blogspot.com) e andei que tempos a tentar saber o nome. Acabei por perguntar a uma florista e ela respondeu-me que se chamava "estruméria". Pelo visto é uma deturpação madeirense do nome. Obrigada pela informação. Vou já corrigir no meu blog. Sou uma jardineira amadora.

Cris Bolbosa disse...

Anete, eu tambem sou jardineira amadora, dos tempos livres, e às vezes dos não livres (ficam outras coisas para trás para me dedicar aquilo que realmente gosto de fazer).
Os nomes que as pessoas dão às flores são muito engraçados, e quando são nomes esquisitos, ficam mais esquisitos ainda. Fazemos de conta que não percebemos, eheh

Até já
Cris

anete joaquim disse...

Olha, eu cá não tenho qualquer prurido em dar os nomes que me apetece às flores cuja designação científica desconheço. Tenho a "roxinha", as "cachopas", chamo malmequeres a város tipos diferentes de plantas, mas com o mesmo género de pétalas. Enfim, acho que são nomes carinhosos. E depois, como no caso das "estrumérias", há as deturpações regionais, a que acho muita piada. Agora já vou aprendendo os nomes científicos, mas o meu coração pende sempre para os nomes regionais.

Cris Bolbosa disse...

Anete,
Os nomes que as pessoas ao longo do tempo foram dando às flores é muito importante, pois os nomes cientificos são muito pouco conhecidos.
O ano passado ouvi tanto chamar milhos às "bananilhas", que de vez em quando ainda lhes chamo assim.
Eu gosto de conhecer tanto uns como outros, mas sou muito terra-a-terra e também não tenho "pejo" nenhum em chamar pelos nomes populares. Quem é que consegue pronunciar Altroemeria? Eheh
Bjos
Cris

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...